Arquivo da tag: Formação de professores

Detalhes da Mostra PIBID Filosofia no IV WFE

Na manhã do dia 28 de junho se inicia a quarta edição do Workshop de Filosofia e Ensino, na UFRGS.

A única atividade do dia ocorrerá neste turno, e consiste na apresentação de seis relatos de experiência e propostas de sequências didáticas elaborados por bolsistas do PIBID Filosofia da UFRGS – coordenado pelo Prof. Leonardo Porto, da Faculdade de Educação (FACED).

A mediação das discussões fica a cargo de dois ex bolsistas deste PIBID, e também do PIBID InterVale, Jeferson Huffermann e Matheus Penafiel.

Abaixo, resumos de algumas das apresentações:

Feminismo e diversidade de gênero –  Eduardo Teles e Maria Carolina Gurgacz

Apresentaremos como se desenvolveu uma oficina sobre feminismo e gênero para alunos da EJA – Ensino Médio do Colégio de Aplicação na qual somente houve participação de homens. Os autores da oficina compartilharão suas impressões gerais e as reações dos alunos, bem como o material didático produzido e utilizado nos quatro encontros em que a oficina foi desenvolvida como, por exemplo, o teste sobre machismo nomeado de “Machistômetro” e o texto “Definindo mulher/homem”, que levanta a questão da impossibilidade de se determinar o gênero do outro.

Um convite à filosofia a partir da mitologia e sua atualidade – Gianluca Focchesatto

Este trabalho pretende apresentar a estrutura geral de um plano de aulas, cujo objetivo é introduzir os alunos à filosofia a partir da mitologia. Este plano de aulas foi concebido especificamente para o contexto do EJA, para uma turma do primeiro ano do ensino médio. Constará um breve relato da sequência das aulas, acompanhado da apresentação da própria estrutura do plano de aulas e da justificação para a escolha dos materiais e situações didáticas. Nesta sequência de aulas, constam vários momentos interessantes: a apresentação da disciplina da filosofia de um modo convidativo e acessível aos alunos da EJA (desfazendo preconceitos, possíveis rechaços e “remediações” que poderiam ter para com a famigerada dificuldade da disciplina); a confecção de um ambiente que remetia à cultura grega (envolvendo decoração, música característica, exposição de slides contendo imagens de relíquias gregas representando sua mitologia, a distribuição de aforismos de pensadores e filósofos gregos) ambientando uma aula de leitura de livros de mitologia; uma saída de campo com a finalidade de conhecer referências mitológicas que constam na arquitetura tradicional da cidade de Porto Alegre; uma introdução às características, funções e atualidade da mitologia; um breve tratamento das distinções entre a mitologia e a filosofia; uma experiência com q leitura de textos filosóficos (Górgias e Platão). Este plano de aula foi concebido a partir de um conjunto de reuniões, acompanhando a sequência das aulas no sentido de fazer adaptações e ajustes pertinentes a partir dos interesses e dificuldades apresentadas em sala de aula.

Filosofia como investigação no Ensino de Jovens e Adultos – Dominique Quevedo

Neste trabalho, planejo tratar de uma amostra do que ocorreu durante minha experiência como colaboradora nos Projetos de Investigação das turmas de Educação de Jovens e Adultos. Esta experiência ocorreu no Colégio de Aplicação (CAP) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e contou com a Orientação da Professora de Filosofia Rúbia Vogt e colaboração dos bolsistas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). Este trabalho visa mostrar as relações professor-aluno que ocorrem no contato direto proporcionado durante o auxílio na construção dos Projetos de Investigação que os alunos fazem semestralmente. Neste Projeto, cada aluno escolhe um tema a ser investigado de acordo com o subprojeto que se inclui. No subprojeto Filosofia, o tema a ser seguido é Direitos humanos. Os alunos devem fazer pesquisas e montar um trabalho escrito e apresentação com o que escolherem falar com relação aos Direitos Humanos. Para compartilhar o processo de construção desse trabalho, pretendo descrever as relações inevitavelmente criadas entre os colaboradores e os alunos, bem como todo o esforço de ambos em uma reescolarização no mais das vezes. Como resultado, aponto o aprendizado dos colaboradores desse processo de ensino, tanto em trabalhar com o que estão preparados, e muitas vezes ir além. Bem como, do crescimento do aluno que constrói uma relação de confiança e adquire conhecimentos, sendo beneficiado mutuamente em todo esse processo.

Ética e igualdade entre humanos e animais – Alexandre Nicolini

(Resumo não fornecido.)

Experiência do Grupo de Estudos “Feminismo Sob Uma Perspectiva Filosófica” na Escola Estadual de Ensino Médio Padre Reus (Porto Alegre) – Márcia Laux e Rafaela Antunes

A criação do projeto “Feminismo Sob Uma Perspectiva Filosófica” se inicia a partir da proposta do PIBID Filosofia UFRGS para o desenvolvimento de uma oficina na escola Escola Estadual de Ensino Médio Padre Reus (escola em que atuávamos). Como o ano de 2016 foi palco de várias manifestações feministas organizadas pelas próprias alunas do colégio, enxergamos a oportunidade de ampliação dos conhecimentos sobre o tema, para que elas pudessem aliar à prática – que já era recorrente – um embasamento teórico – ainda inexistente. Para tal empreendimento, apresentamos a sugestão da criação de um grupo de estudos, ao invés de apenas uma oficina isolada, já que o tema demandava o aprendizado de extenso conteúdo e debates frequentes. A origem do mesmo se deu durante a ocupação desta escola, entrando assim na lista de atividades que os próprios alunos selecionavam para a programação da semana. A proposta era estudar as causas que impulsionaram o início do movimento no século XVIII – época que ficou marcada por dar maior visibilidade ao tema – como embasamento para debates filosóficos sobre as reivindicações das mulheres no curso da história, até os dias atuais, envolvendo conceitos como o de ética e de identidade. Buscamos também estimular a capacidade intelectual argumentativa, pretendendo gerar subsídios para que o posicionamento de ideias individuais e/ou do grupo seja sempre escolhido conscientemente. Em um segundo momento, foi proposto às alunas tarefas de pesquisas individuais sobre as diferentes correntes do feminismo com o objetivo de gerar discussões substanciais sobre a defesa e os argumentos utilizados por cada uma delas. A partir disso, cada participante do grupo poderia se identificar com uma corrente, entendendo e justificando a sua posição, ou poderia avaliar de outra forma, não se identificando com nenhuma corrente em especial, mas de acordo com mais de uma defesa presente em diferentes correntes. Com essa última atividade, tínhamos como objetivo estimular a pesquisa em grupo e, principalmente, mostrar a pluralidade do movimento feminista, desde o seu surgimento até a atualidade. No “IV Workshop de Filosofia e Ensino”, apresentaremos como foi o desenvolvimento deste projeto, bem como as reflexões construídas pelo grupo.

Filosofia como disciplina obrigatória no Ensino Médio – Ronald da Costa e Tabaré Reynoso

Apresentação de argumentos em favor da filosofia como uma disciplina especial reconhecendo, inclusive, uma didática própria que incorpora os espaços conceituais e reflexivos das demais disciplinas, resultando disso a ideia de transversalidade associada ao ensino desta atividade.  Afirmamos sem rodeios, e com necessária humildade, que ela deve cumprir, sim, sua função como disciplina obrigatória no currículo escolar. Reconhecer, entretanto, o que há de singular na filosofia enquanto disciplina, não significa assegurar-lhe um lugar proeminente seja em um currículo ao modo de presépio (sem grande interlocução entre as disciplinas), seja em um currículo orgânico (com interlocução entre as disciplinas). Relato/depoimento na condição de pibidiano(s) observador(es) de aulas de filosofia no ensino médio.

III WFE – Linguagens e métodos – Programação

Quarta-feira, 13/07

9:30 h – Abertura do evento

9:45 – Minicurso “Leitura de textos filosóficos no Ensino Médio” 

Prof.ª Marta Vitória de Alencar (EA/USP)

*

14h – Mesa redonda “O ensino de filosofia para jovens e adultos: perspectivas metodológicas”

Prof. Gustavo Coelho (Colégio Israelita Brasileiro e no Colégio São Judas Tadeu) – “O ensino de filosofia para jovens e adultos: perspectivas metodológicas”

Prof. Rúbia Vogt (CAp/UFGRS) – “Pensando uma alfabetização filosófica na EJA”

Moderadora: Inara Zanuzzi (UFRGS)

*

16:30 – Mesa redonda “A Filosofia na Base Nacional Comum Curricular”

Prof. Edgar Lyra (PUC-Rio) – “A Filosofia BNCC: princípios e crônicas”

Prof. Prof. Ronai Pires da Rocha (UFSM)

Moderadora: Prof.ª Gisele Dalva Secco (UFRGS)

*

Quinta-feira, 14/07

9:30 – Minicurso “Leitura de textos filosóficos no Ensino Médio” 

Prof.ª Marta Vitória de Alencar (EA/USP)

*

14h – Mesa redonda – “Filosofia para/com/e crianças: Quais linguagens? Quais métodos?”

Professores:

Fábio Gai Pereira (UFRGS/ EMEF Vereador Carlos Pessoa de Brum/ Colégio N. Sra. do Bom Conselho);

João Francisco Siqueira Rodrigues (EMEFs Heitor Villa-Lobos/América/Emílio Meyer);

Rafael Ramos Cioquetta (CMEBs Eva Karnal Johann/ Alberto Pasqualini)

*

16:30 – Mesa redonda – “A formação de professores de filosofia entre a graduação e a pós-graduação”

Prof. Edmilson Paschoal (UFPR) – “O PROF-FILO: aparecimento, configuração e desafios”

Prof. Edgar Lyra (PUC-Rio) – “A Filosofia no Ensino Médio brasileiro: a importância da formação docente”

Moderadora: Prof. Raphael Zillig (UFRGS)

*

Sexta-feira, 15/07

9:30 – Minicurso “Leitura de textos filosóficos no Ensino Médio” 

Prof.ª Marta Vitória de Alencar (EA/USP)

*

14h – Palestra – “Linguagens e métodos: de um ponto de vista sociológico”

Prof. Ronai Pires da Rocha (UFSM)

*

16h – Roda de conversa – Escolas e ocupações: sobre a escola que virá

Organizada com a colaboração do Prof. Rafael Padilha (EMEF José Loureiro da Silva)

 

“A Filosofia no Ensino Médio brasileiro: a importância da formação docente”

Esta é a sinopse da fala do professor Edgar Lyra (PUC-Rio) , na mesa sobre formação docente com o prof. Edmilson Paschoal (UFPR):

A formação de professores de Filosofia para o ensino médio brasileiro envolve inúmeros desafios e demandam trabalho perene. A ideia é compartilhar experiências reunidas ao longo de quase dez anos de atuação como coordenador de licenciatura na PUC-Rio, quatro na gestão do PIBID na mesma universidade, dois no Mestrado profissionalizante no CEFET-RJ e, mais recentemente, alguns meses como aprendiz no processo de ocupação das escolas públicas do Rio de Janeiro. Muita coisa foi observada – desde o mais absoluto pessimismo, não raro presente em salas de professores, até júbilos muito intensos comungados ao final de projetos exitosos. Tudo tem servido de lição e convidado a continuar.

“A formação de professores de filosofia entre a graduação e a pós-graduação” 

Na tarde da quinta-feira, dia 14/07, falaremos sobre o tema da formação de professores de filosofia na mesa redonda com os professores Edgar Lyra (PUC-Rio) e Edmilson Paschoal (UFPR). A mediação fica por conta da Prof.ª Lia Levy, atual Coordenadora do PPGFil – UFRGS.

Eis o resumo da palestra do Prof. Edmilson, “O PROF-FILO: aparecimento, configuração e desafios”. Eis seu resumo:

O objetivo da exposição é oferecer alguns elementos para o debate sobre a formação de professores de filosofia, retomando o tema da relação entre a graduação e a pós-graduação a partir de um fato novo que aparece entre 2012 e 2016, o PROF-FILO. A proposta do PROF, que diz respeito em especial à formação do professor que já atua em sala de aula, conforme veremos, não consiste em oferecer soluções breves para antigos problemas, mas em ampliar as margens no interior das quais se desdobram os debates sobre o ensino de filosofia. Uma proposta que aproxima a prática docente e o ambiente acadêmico e que, de certo modo, reafirma a correlação entre teoria e prática em um patamar ainda pouco explorado na área de filosofia.

IMG_2114

Programação do III WFE – Linguagens e métodos

Quarta-feira, 13/07

9h – Abertura do evento

9:30 – Minicurso “Leitura de textos filosóficos no Ensino Médio” 

Prof.ª Marta Vitória de Alencar (EA/USP)

*

14h – Mesa redonda “O ensino de filosofia para jovens e adultos: perspectivas metodológicas”

Prof. Gustavo Coelho (Colégio Israelita Brasileiro e no Colégio São Judas Tadeu) – “O ensino de filosofia para jovens e adultos: perspectivas metodológicas”

Prof. Rúbia Vogt (CAp/UFGRS) – “Pensando uma alfabetização filosófica na EJA”

Moderadora: Inara Zanuzzi (UFRGS)

*

16:30 – Mesa redonda “A Filosofia na Base Nacional Comum Curricular”

Prof. Edgar Lyra (PUC-Rio) – “A Filosofia BNCC: princípios e crônicas”

Prof. Prof. Ronai Pires da Rocha (UFSM)

Moderadora: Prof.ª Gisele Dalva Secco (UFRGS)

*

Quinta-feira, 14/07

9:30 – Minicurso “Leitura de textos filosóficos no Ensino Médio” 

Prof.ª Marta Vitória de Alencar (EA/USP)

*

14h – Mesa redonda – “Filosofia para/com/e crianças: Quais linguagens? Quais métodos?”

Professores:

Fábio Gai Pereira (UFRGS/ EMEF Vereador Carlos Pessoa de Brum/ Colégio N. Sra. do Bom Conselho);

João Francisco Siqueira Rodrigues (EMEFs Heitor Villa-Lobos/América/Emílio Meyer);

Rafael Ramos Cioquetta (CMEBs Eva Karnal Johann/ Alberto Pasqualini)

*

16:30 – Mesa redonda – “A formação de professores de filosofia entre a graduação e a pós-graduação”

Prof. Edmilson Paschoal (UFPR) – “O PROF-FILO: aparecimento, configuração e desafios”

Prof. Edgar Lyra (PUC-Rio) – “A Filosofia no Ensino Médio brasileiro: a importância da formação docente”

Moderadora: Prof.ª Lia Levy (UFRGS)

*

Sexta-feira, 15/07

9:30 – Minicurso “Leitura de textos filosóficos no Ensino Médio” 

Prof.ª Marta Vitória de Alencar (EA/USP)

*

14h – Palestra – “Linguagens e métodos: de um ponto de vista sociológico”

Prof. Ronai Pires da Rocha (UFSM)

*

16h – Roda de conversa – Escolas e ocupações: sobre a escola que virá

Organizada com a colaboração do Prof. Rafael Padilha (EMEF José Loureiro da Silva)