“Os diálogos platônicos no currículo de filosofia”

Na tarde da terça-feira, dia 21/07/2015, ocorrerá a mesa redonda sobre o lugar dos e as possibilidades didáticas envolvendo os diálogos platônicos no currículo de filosofia.

As palestras serão realizadas por Daniel Simão Nascimento (UFPel) e Renato Matoso Brandão (UFRJ), com mediação da professora Priscilla Tesch Spinelli (UFRGS), que também é uma das organizadoras do II WFE.

Seguem os resumos:

O papel ativo dos interlocutores na dialética socrática

Renato Matoso Brandão

Como sabemos, o método de investigação filosófica conhecido como dialética é representado  de diferentes maneiras na obra platônica. Contudo, certos pressupostos fundamentais permanecem inalterados a despeito desta multiplicidade de formulações, constituindo, portanto, traços fundamentais do fazer filosófico platônico. Um destes traços fundamentais é a necessidade da investigação filosófica ocorrer por meio do diálogo entre, pelo menos, dois indivíduos. Minha apresentação será centrada nos primeiros diálogos de Platão e tentará demonstrar como os interlocutores de Sócrates, geralmente entendidos como meros proponentes de teses a serem refutadas, possuem um papel ativo na condução da argumentação e na produção de resultados positivos. Sobretudo, pretendo demonstrar como Sócrates faz uso dos argumentos de seus interlocutores para expor seu próprio ponto de vista. E, além disso, apresenta suas teses acerca da existência das Formas apenas em função da capacidade de compreensão destes interlocutores. Acredito que minha leitura é capaz de lançar luz sobre interessantes problemas acerca da interpretação da obra platônica, da exposição progressiva da Teoria das Ideias nos diálogos e, por fim, do método didático adotado pelo Sócrates dos primeiros diálogos de Platão.

Adreasstraße, Berlim.

Adreasstraße, Berlim. Foto de Daniel Nascimento.

Elenchus, crença e defensibilidade

Daniel Simão Nascimento

Ao longo da segunda metade do século XX e do início de nosso século foram produzidos numerosos e importantes estudos acerca do elenchus socrático. Boa parte da discussão que ocupou os comentadores gira em torno da questão acerca dos objetivos do elenchus. Enquanto uns, como Benson, defendem que ele só tem e só pode ter uma função negativa, a saber, apontar inconsistências dentro de um determinado set de crenças do interlocutor, outros, como Vlastos, defendem que o método teria também o objetivo de estabelecer determinadas teses socráticas. Nessa palestra, começarei apresentando o famoso método de Sócrates de forma a ressaltar a importância da noção de defensibilidade de uma crença para tentar explicar de que forma o elenchus permite a Sócrates tanto questionar as crenças de seu interlocutor quanto lhe sugerir alternativas que, do ponto de vista da defensibilidade, são mais atraentes. E no entanto, qualquer leitor dos diálogos sabe que mesmo quando o método é bem sucedido muitas vezes o interlocutor não acata as sugestões do filósofo. Dar o devido valor a este fato nos permite perceber que Platão estava bastante consciente de que existem outros motivos que podem levar um indivíduo sustentar uma crença e que são independentes de sua defensibilidade dentro do conjunto formado pelas demais crenças por ele sustentadas.

Anúncios

2 ideias sobre ““Os diálogos platônicos no currículo de filosofia”

  1. Pingback: Inscrições e programação | Workshop de Filosofia e Ensino

  2. Pingback: Diálogos que nossos alunos podem ler | didático-filosóficas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s